Publicado por Redação em Gestão do RH - 15/06/2022 às 19:56:11

Maioria dos bilionários não acha que funcionários ficarão remotos



Elon Musk tocou no centro nervoso das discussões sobre o trabalho na semana passada quando disse que exigiria que todos os funcionários da Tesla voltassem ao escritório por pelo menos 40 horas por semana – ou deixassem a empresa. A postura firme da pessoa mais rica do mundo provocou uma tempestade de reações, inclusive do bilionário australiano Scott Farquhar, cofundador e CEO da gigante de software Atlassian, que criticou a postura de Musk como “algo dos anos 1950”.

Todo o debate público revelou uma grande discrepância na forma como os líderes empresariais estão vendo o futuro do trabalho. Algumas empresas lideradas por bilionários, como a Dropbox, liderada por Drew Houston, venderam grande parte de seus escritórios e deram aos funcionários a opção de trabalhar remotamente para sempre. O Twitter, que Musk vem tentando comprar, anunciou em março que seus funcionários terão a mesma escolha. Outros estão seguindo um modelo híbrido, incluindo a Apple, que é liderada por Tim Cook e atualmente exige que seus funcionários compareçam ao escritório duas vezes por semana.

Como se vê, a maioria dos bilionários acha que as empresas voltam para o presencial ou permanecem híbridas, com pelo menos algum tempo presencial. Pesquisamos 65 das pessoas mais ricas do mundo e descobrimos que pouco mais da metade (52%) acredita que modelos “híbridos” que permitem que os funcionários misturem o trabalho presencial e remoto serão o caminho do futuro, em comparação com 45% que acham que a maioria dos funcionários retornará fisicamente aos escritórios. Apenas 3% dizem que o trabalho acabará sendo predominantemente remoto.

Um dos principais defensores do trabalho híbrido, Mark Dixon, o bilionário fundador e CEO da IWG, provedora de locais de trabalho flexíveis com sede na Suíça, descreve a pandemia como um momento revolucionário no “mundo do trabalho” semelhante ao advento do computador desktop.

“Embora tenha sido definido para ser apenas um fenômeno temporário, seus efeitos sobre como milhões de pessoas trabalham estarão conosco para sempre”, disse Dixon. “As razões são fáceis de encontrar: forças como a crescente demanda por equilíbrio entre vida profissional e pessoal, a necessidade cada vez maior de atrair as melhores pessoas, a crescente ênfase das empresas em políticas que priorizam as pessoas, os custos crescentes do espaço no centro da cidade e, talvez acima de tudo, o imperativo climático, estão persuadindo funcionários e empregadores de que é hora de mudar”.

David Hoffman, que iniciou sua empresa de busca de executivos DHR em 1989 e agora também é o maior incorporador imobiliário em Naples, Flórida, disse que já está vendo os benefícios da mudança para o trabalho flexível. O bilionário disse à Forbes que o DHR cortou seu espaço de escritórios em cerca de 80% em cidades como Nova York e Chicago, acrescentando “milhões” aos resultados da empresa. “Também descobrimos que nossa produtividade aumentou em vinte por cento e nosso volume de negócios diminuiu muito”, observou Hoffman.

Ainda assim, há muitos bilionários defendendo um retorno ao status quo. Jim Thompson, o bilionário de Hong Kong por trás da Crown Worldwide, uma das maiores empresas privadas de realocação do mundo, disse que, embora a pandemia tenha acelerado a “utilidade” do trabalho remoto, ele não o vê substituindo adequadamente o “trabalho presencial”.
“Percebi que algumas funções em uma empresa podem ser desempenhadas remotamente e isso tem efeitos positivos para as famílias que têm um longo trajeto ou crianças para cuidar, mas a desvantagem de ter uma grande parte dos funcionários da empresa trabalhando individualmente. É um bom presságio para a administração que deseja construir uma equipe forte”, disse Thompson. “Acredito que o papel do escritório ou outro local de trabalho ainda é vital para o sucesso de um negócio.”

Depois, há aqueles como Tilman Fertitta, o bilionário proprietário da Fertitta Entertainment, empresa-mãe do gigante dos restaurantes Landry’s e do Houston Rockets da NBA, que não têm a mesma escolha. “Servir os hóspedes e criar experiências memoráveis. É impossível fazer isso sem estar presente dentro de nossos restaurantes, cassinos, hotéis e complexos de entretenimento”, disse Fertitta.

A mudança mais ampla do trabalho presencial tem consequências cruciais para empresas como a Fertitta Entertainment, que pode achar mais difícil localizar pessoas dispostas a fazer trabalho físico. “Nossos locais já estão com falta de pessoal”, disse o bilionário do Texas. “Os clientes estão nos dizendo todos os dias o quanto eles gostam da interação social e da experiência de jantar fora novamente. A hospitalidade, as viagens e o lazer voltaram; e agora é hora de os funcionários se juntarem também.”

Especialistas entrevistados pela Forbes preveem que será cada vez mais difícil para as empresas que não se adaptarem a um modelo híbrido reter os melhores talentos – pelo menos em carreiras onde o trabalho remoto é uma opção. “Agora que as pessoas sentiram o gostinho de como é ter mais liberdade sobre onde trabalham, será muito difícil convencê-las a voltar”, disse Thomas Malone, professor de administração do Massachusetts Institute of Technology.

Raj Choudhury, professor associado da Harvard Business School que passou anos estudando trabalho remoto, argumenta que o trabalho predominantemente remoto com algumas reuniões presenciais obrigatórias será o principal modelo daqui para frente. No entanto, ele acredita que a definição de trabalho “híbrido” provavelmente ganhará um novo significado à medida que as empresas experimentam diferentes opções de colaboração pessoal.

“O que estou observando e o que minha própria pesquisa está apontando é que a grande maioria das empresas está se inclinando para alguma forma de híbrido, mas a realidade é que há muita experimentação do que significa híbrido”, disse Choudhury, apontando para o “rancho” aberto pelo Salesforce do bilionário Marc Benioff no início deste ano em Redwoods de Scotts Valley, Califórnia, como um lugar para seus funcionários se reunirem como exemplo. Seja como for, a escrita está na parede. Diz ele: “O antigo escritório com cubículos e escritórios de canto é completamente irrelevante no mundo de hoje.”



Fonte: Forbes


Seguro Auto

Posts relacionados


Deixe seu Comentário:

=