Publicado por Redação em Gestão do RH - 25/05/2022 às 12:59:45

Férias ilimitadas: a tendência que pode ser uma receita para o desastre

Quando James* estava pensando em ingressar em sua empresa atual, um fundo de private equity de Nova York, o salário e o prestígio eram fatores óbvios que facilitaram sua decisão. Mas foi a política de férias que finalmente selou o acordo.

“Não ter limite para o número de dias que eu poderia levar parecia quase bom demais para ser verdade”, diz James. 

Dois anos depois, há uma parte dele que entende que, de certa forma, realmente foi uma ilusão. Em seu primeiro ano na empresa, ele tirou quatro dias de férias anuais. No ano seguinte, ele tirou três.

“É uma empresa altamente competitiva dentro de um setor altamente competitivo, então a maioria de nós optava por não parar para se destacar entre os demais”, diz. “Ter controle sobre quanto tempo você tira significa que é essencialmente apenas mais uma ferramenta para você provar seu compromisso e valor. Em essência, é uma corrida para o fundo do poço”

As políticas de dias de férias ilimitadas existem há muitos anos. Elas apareceram pela primeira vez no espaço de tecnologia, onde nenhum truque parece ser muito maluco na caça feroz por talentos, mas mais recentemente eles se espalharam para uma série de outros setores.

De acordo com o site de empregos Indeed, o número de postagens anunciando dias de férias ilimitados como benefício aumentou de cerca de 450 por milhão em maio de 2015 para quase 1.300 por milhão em maio de 2019 – quase 180%.

Mas um crescente quadro de evidências sugere que dias de férias ilimitados podem, de fato, fornecer um caminho rápido para o estresse e o esgotamento, particularmente em empresas e setores – como finanças e tecnologia – onde persiste uma cultura de competição.

Em 2012, a empresa de software Buffer implementou um protocolo de férias ilimitadas como forma de incentivar a equipe, mas alguns anos depois a administração optou por revisar a política porque poucas pessoas estavam tirando folga.

Preocupados que esse presenteísmo levasse à falta de motivação, fadiga e baixo desempenho, eles estabeleceram um período mínimo de férias padrão de três semanas por ano para toda a empresa.

Em um post de blog escrito em 2017, Hailley Griffis, chefe de relações públicas da Buffer, escreveu que, sob a política de licença ilimitada, a maior porcentagem de dias de férias tirados pelos funcionários da Buffer estava na faixa de cinco a 10 dias por ano.

Sob a nova política, o número médio de dias subiu para 18,2 dias. Cerca de 89% de todos os funcionários saíram por mais de 10 dias. Griffis observou que, criticamente, a equipe executiva tirou o maior número de dias de folga.

“Pode ser difícil para os funcionários tirar férias se virem as pessoas na liderança falhando nisso, e é por isso que era tão poderoso ter gerentes da Buffer tirando folga e liderando pelo exemplo”, escreveu Griffis.

Presenteísmo e absenteísmo
Vale a pena considerar a potencial vantagem dos requisitos mínimos de férias à luz do aumento meteórico das doenças relacionadas ao estresse registradas nos EUA e em outros países.

Uma pesquisa publicada em junho de 2019 pelo Chartered Institute of Personnel and Development do Reino Unido descobriu que até um em cada quatro trabalhadores se considerava sujeito a condições de trabalho intensas e estressantes. Cerca de um terço dos entrevistados disseram que se sentiam regularmente sobrecarregados.

De acordo com o American Institute of Stress, 83% dos trabalhadores dos EUA sofrem de estresse relacionado ao trabalho e as empresas do país perdem até US $ 300 bilhões por ano como resultado do estresse no local de trabalho.

Em 2013, Ian Hesketh, pesquisador da Universidade de Manchester, cunhou o termo “leaveism” como um contra conceito ao absenteísmo e presenteísmo, para descrever a prática de funcionários usando folgas alocadas, como feriados ou horários flexíveis de bancos de horas para se recuperar de doença ou mesmo para fazer um trabalho que não conseguiu concluir dentro das horas de trabalho atribuídas.

Em um artigo de 2020 que ele escreveu em coautoria com Cary Cooper, professora de psicologia organizacional e saúde, Hesketh disse que, embora à primeira vista esses comportamentos possam parecer “bastante inócuos e apenas parte da vida profissional moderna”, há um lado muito mais sombrio para eles.

“Corremos o risco de endossar uma cultura de trabalho 24 horas por dia, 7 dias por semana, da qual é cada vez mais difícil desligar”, escreveram os dois acadêmicos. “O equilíbrio entre vida profissional e pessoal está se tornando uma coisa do passado”

Um equilíbrio sadio
Uma política de licença ilimitada nem sempre precisa resultar em uma cultura tóxica de excesso de trabalho e esgotamento.

Em 2017, escrevendo na Harvard Business Review, Aron Ain, diretor executivo da Kronos Incorporated, que fornece software de gerenciamento de força de trabalho, argumentou que essas políticas podem de fato apoiar a produtividade e o moral.

“Em uma época em que tantos funcionários estão conectados 24 horas por dia, as políticas oficiais que dependem de delinear claramente quando estão ‘no trabalho’ ou ‘de férias’ me parecem antiquadas ou até mesmo tolas”, disse.

Em 2016, sob sua liderança, Kronos implementou o que ele chama de política de férias “abertas”: não há limite definido de quantos dias um funcionário pode tirar. Cada pessoa simplesmente tem que concordar com seu supervisor caso a caso.

Ain admite que inicialmente houve queixas e dores de crescimento, mas a política valeu a pena a longo prazo. Em 2019, o Great Places To Work, um site que avalia a satisfação dos funcionários em empresas dos EUA, descobriu que 93% dos funcionários da Kronos a consideram um ótimo lugar para trabalhar, em comparação com 59% dos funcionários de uma empresa típica dos EUA.

Confiança e autonomia também são amplamente conhecidos por serem fortes motivadores no local de trabalho, e os defensores de férias ilimitadas dizem que, se feitas da maneira certa, políticas como essa podem fornecer ambas vantagens. Nenhum limite de licença remunerada pode liberar recursos administrativos. Mas, como sempre, os gerentes devem estar cientes de seu risco.

Qualquer política pode ser ótima em teoria, mas é improvável que férias teóricas sejam tão restauradoras quanto as reaisl. Muitos de nós provavelmente já aprenderam isso da maneira mais difícil.


 

Fonte: Forbes


Seguro Auto

Posts relacionados


Deixe seu Comentário:

=